2012-09-05

Uma geração que acredita em carreiras construídas da noite para o dia - by Max Gehringer

Transcrição do comentário do Max Gehringer para a rádio CBN, do dia 05/09/2012, sobre como a geração atual no mercado de trabalho.

Áudio original disponível no site da CBN (link aqui). E se você quiser ler os comentários anteriores do Max Gehringer, publicados aqui, basta clicar neste link.

/===================================================================================

Uma geração que acredita em carreiras construídas da noite para o dia

geração y

"Sou um executivo com 30 anos de experiência", um ouvinte escreve. "Estou pela primeira vez sentindo dificuldades para orientar jovens recém-contratados. No campo da motivação, palavras como esforço, dedicação, paciência e humildade já não têm mais o peso que tiveram. E no terreno prático, o número de pedidos de demissão aumenta a cada ano e a explicação mais usual é que a empresa não atendeu as expectativas. Não estou reclamando, estou apenas tentando entender o que levou uma geração inteira de jovens a supor que uma carreira possa ser construída da noite para o dia."

Bom, começando pela teoria, há 70 anos o psicólogo americano Abraham Maslow definiu as cinco etapas de uma vida profissional:

A primeira era suprir as necessidades básicas. As pessoas começam a trabalhar porque precisam de dinheiro para comer, morar e se vestir.

A segunda etapa era a da segurança. Nela, o empregado começava a pensar numa pequena poupança, como contingência para situações imediatas e preparação para o futuro.

Na terceira vinha a preocupação com as necessidades sociais. Hoje isso seria ter um carro, um celular, um tablet e tirar férias.

A quarta etapa era a da autoestima. O profissional se esforçava para conseguir um cargo, um título, merecer respeito e acumular poder.

E a quinta etapa era a da realização pessoal. Aquela em que o dinheiro dá e sobra.

Entre uma etapa e outra, passavam-se de cinco a dez anos, sendo que a maioria dos empregados parava na terceira etapa. Atualmente, as quatro primeiras etapas parecem emaranhadas e quem começa já está pensando em como chegar à quinta.

Creio que o nosso ouvinte concorda, apesar das dificuldades que ele enumerou, que ser jovem hoje é muito melhor do que foi nos tempos de Abraham Maslow.

Max Gehringer, para CBN.

1 comment:

Albuq said...

Tenho que confessar, hoje penso na quinta o tempo todo.

Blog Widget by LinkWithin