2012-09-27

'Meu chefe me liga no fim de semana' - by Max Gehringer

Transcrição do comentário do Max Gehringer para a rádio CBN, do dia 27/09/2012, sobre ligações telefônicas para o celular fora do horário de expediente e o pagamento de sobreaviso.

Áudio original disponível no site da CBN (link aqui). E se você quiser ler os comentários anteriores do Max Gehringer, publicados aqui, basta clicar neste link.

/===================================================================================

'Meu chefe me liga no fim de semana'

celular sobreaviso

"Tenho um celular que é da empresa", um ouvinte escreve. "Acontece que o meu chefe fica me ligando no fim de semana para me fazer perguntas sobre trabalho. Eu soube que houve uma decisão judicial proibindo isso. É verdade?"

Não, proibindo, não. Mas obrigando a empresa a pagar pelo incômodo. No mês passado, o Tribunal Superior do Trabalho alterou a redação da súmula do sobreaviso. Durante muitos anos, o período de sobreaviso ficou restrito a técnicos que eram convocados a qualquer hora para comparecer à empresa e resolver algum problema urgente.

Como na época só existiam telefones fixos entendia-se que o técnico precisava ficar perto de um deles, não podia sair de casa e nem tomar uma bebida alcoólica. Por isso, recebia por essas horas de vigília um valor equivalente a um terço da hora normal.

O celular alterou essa rotina. Primeiro porque o empregado pode se locomover e ter outras atividades. E segundo porque ele pode receber ligações para responder a perguntas que nem sempre são urgentes e nem precisariam ser feitas num sábado a noite ou num domingo.

A súmula anterior do TST determinava que o simples fato de receber ligações desse tipo não implicava no pagamento do sobreaviso. A nova súmula mudou esse entendimento, mas não afirmou que qualquer ligação fora do expediente deva ser paga como sobreaviso. O pagamento ocorre quando o subordinado recebe uma determinação da chefia para ficar à disposição, com o celular ligado, durante várias horas. Se, por exemplo, um chefe liga só para perguntar a um subordinado onde ele guardou a chave do arquivo, isso não se caracteriza como cerceamento à liberdade.

Agora, que é chato chefe ficar ligando na hora de folga do subordinado, isso é. Eu espero, e o nosso ouvinte mais do que eu, que a decisão do TST leve as empresas a orientar seus chefes a não incomodar quem não precisa ser incomodado.

Max Gehringer, para CBN.

No comments:

Blog Widget by LinkWithin