2012-09-04

Competição pode transformar admiração em inveja - by Max Gehringer

Transcrição do comentário do Max Gehringer para a rádio CBN, do dia 04/09/2012, sobre como a comparação entre colegas de trabalho pode resultar em admiração exagerada e inveja.

Áudio original disponível no site da CBN (link aqui). E se você quiser ler os comentários anteriores do Max Gehringer, publicados aqui, basta clicar neste link.

/===================================================================================

Competição pode transformar admiração em inveja

inveja no trabalho

Um ouvinte escreve: "Ao me comparar com meus colegas de trabalho, vejo que tenho mais potencial que todos eles, exceto um, que provavelmente será meu grande concorrente em uma promoção. O que posso fazer para me destacar em relação a ele?"

Vamos lá. Comparações não são apenas saudáveis. São inevitáveis. Mesmo pessoas que afirmam não se incomodar com os outros, não conseguem evitar uma ocasional comparação. Quando concordamos que uma pessoa se veste bem, por exemplo, estamos no fundo reconhecendo que ela se veste melhor do que nós.

No ambiente de trabalho, em que todos os colegas são constantemente observados uns pelos outros, é inevitável concluir que alguns são melhores que nós em certas coisas. E que nós somos melhores que alguns em outras.

Os problemas podem começar a surgir quando alguém decide se concentrar em um único colega. Normalmente, um que tem alguma habilidade que o observador gostaria de ter. No início, a comparação resulta em admiração. Mas com o tempo pode conduzir a um sentimento nefasto: a inveja.

Levada às últimas consequências, a inveja faz com que a pessoa que era admirada passe a ser detestada. Ao perceber que não conseguirá se igualar ao invejado, o invejoso fará o que estiver ao seu alcance para destruir o objeto de sua admiração, quase sempre usando a intriga para depreciar o colega invejado. Ou, em outras palavras, se não dá para ser como ele, é preciso fazer com que ele pareça pior do que é.

Não estou dizendo que o nosso ouvinte está indo nessa direção, mas ele corre o risco de desembocar nela. A sugestão que eu daria ao nosso ouvinte é tentar superar continuamente a si mesmo. Se fizer isso, ele irá transferir a preocupação para o colega, em vez de ficar se incomodando com ela e com ele.

Max Gehringer, para CBN.

No comments:

Blog Widget by LinkWithin